Friday, July 15, 2016

Tipuri de certificate ISO



Un certificat ISO este foarte important pentru portofoliul unei firme, deoarece acesta atesta seriozitatea si profesionalismul sau si ofera numeroase avantaje. Din cauza faptului ca pe orice piata intra numerosi jucatori, supravietuirea se poate face doar cu ajutorul unor eforturi mari, iar numerosi oameni de afaceri sunt pusi in dificultate. 

Chiar daca adesea se cauta solutii si se propun campanii de marketing costisitoare, acestea nu sunt intotdeauna multumitoare. Poate una dintre cele mai simple modalitati prin care o firma isi poate imbunatati activitatea este dobandirea unui certificat ISO.

In acest sens, este nevoie de apelarea la o companie specializata in domeniu, iar acestea vor crea si vor implementa niste sisteme de management standard, care fac referire la mai multe aspecte, de la calitatea serviciilor si produselor oferite, la conditiile de munca, la securitatea informatiei si muncii sau la protejarea mediului inconjurator.

Tipuri de certificate ISO

Pentru ca firmele sa dispuna de un portofoliu cat mai atragator, nu trebuie sa lipseasca certificatele ISO 9001 si 14001. Primul dintre acestea face referire la asigurarea calitatii serviciilor, iar 14001 la gradul de protejare al mediului inconjurator, esential in contextul incalzirii globale si datorita faptului ca acest subiect este unul tot mai sensibil la ora actuala.

Cu siguranta ca angajatii unei firme vor avea numeroase motive sa se simta mai bine si sa beneficieze de conditii mai placute de lucru, totul cu ajutorul sistemului de management al securitatii ocupationale, denumit OHSAS 18001.

Nu numai angajatii, ci si clientii, furnizorii sau posibilii parteneri de afaceri vor avea de castigat, deoarece acestia au garantia colaborarii cu o companie serioasa, care pune pret pe crearea unor legaturi stranse. Un certificat ISO poate fi important si atunci cand se doreste orientarea catre o piata internationala, intrucat pentru participarea la licitatii se impune drept criteriu eliminator existenta unuia sau mai multor astfel de certificate.


Monday, May 16, 2016



Unul dintre cele mai populare materiale folosite la constructia cladirilor moderne, aluminiul propune numeroase avantaje, fiind utilizat atat in proiectele comerciale, cat si cele rezidentiale. O noua intrebuintare a acestui material metalic este aceea de inchidere a unei verande, fiind preferat de constructori si proprietarii de case pentru numarul mare de avantaje.
Durabilitate
Inchidereverande cu aluminiu este o buna alegere deoarece materialul este pana la 3 ori mai puternic decat alte optiuni traditionale precum lemnul sau PVC-ul. Aluminiul este o structura mai rigida, care nu isi modifica nici nuanta, nici componenta o data cu trecerea timpului.

Greutate redusa

Verandele inchise cu aluminiu presupun o greutate inferioara, iar materialul fiind de 4 ori mai usor decat o structura similara din lemn, este foate usor de manevrat, astfel ca tariful manoperei este unul mai scazut.

Eco

Aluminiul nu este toxic si nici nu provoaca alergii. Din punctul de vedere al reciclarii, aluminiul este materialul perfect, fiind usor de reciclat, indestructibil, astfel ca toata suprafata sa poate fi refolosita in cadrul unui alt proiect.

Confort

Materialul asigura protectie impotriva insectelor, termitelor, furnicilor sau zburatoarelor, care sunt foarte deranjante, in special pe durata verii. De asemenea, aluminiul nu poate fi deteriorat in urma unor conditii meteo nefavorabile, precum ploi sau ninsori. Materialul nu absoarbe nimic, motiv pentru care nu va crapa, nu se va retracta si nu se va deforma, in timp ce lemnul sau PVC-ul nu pot promite aceleasi avantaje.

Rezistent la foc si aspect placut

Atunci cand aluminiul este expus la flacari, precum in cazul gratarelor din timpul verii, materialul nu va arde si nici nu se va topi. De asemenea, inchiderea verandelor cu aluminiu reprezinta o alegere ideala intrucat clientii pot alege dintr-o varietate de culori, chiar si unele care sa imite aspectul lemnului, iar nuanta se poate adapta ori de cate ori se doreste.

Saturday, May 14, 2016

Regim hotelier in Sighisoara



De ce sa optez pentru regim hotelier?

Romania are numeroase atractii ce asteapta sa fie descoperite de catre turisti, insa de fiecare data una dintre marile probleme este cazarea, intrucat preturile practicate de hoteluri si pensiuni sunt destul de costisitoare, motiv pentru care adesea optam pentru conditii inferioare pentru un pret mai bun. Insa atunci cand ne dorim sa vizitam Transilvania, o solutie ideala o reprezinta inchirierea unui apartament in regim hotelier Sighisoara, deoarece preturile sunt mai accesibile pentru toate buzunarele, in timp ce conditiile sunt cel putin la acelasi nivel cu cele oferite de unitatile de cazare traditionale.

Mai mult spatiu

Ce ai prefera? Sa ai la dispozitie o camera de doua persoane de 15 metri patrati pentru 150 de lei sau sa beneficiezi de aceleasi conditii, dar de un spatiu de cel putin doua ori mai mare pentru un apartament cu doua camere la acelasi pret? Spatiul reprezinta o problema in fiecare vacanta deoarece cel din camerele de hotel nu este suficient pentru doua persoane.

O bucatarie te ajuta sa faci economie

Decat sa te trezesti, sa te imbraci si sa te pregatesti sa mergi la un restaurant unde sa cheltui bani pentru micul dejun sau oricare alta masa, nu ai prefera sa mergi in pijamale la bucatarie si sa iti pregatesti propria masa? Toate orasele sunt pline de supermarketuri, astfel ca este suficienta o aprovizionare pentru toata vacanta, iar banii economisiti de pe mesele de la restaurant, pot fi cheltuiti in alte moduri.

Ai parte de intimitate

Regimul hotelier iti asigura si intimitate pentru ca nu mai esti deranjat de membrii staff-ului hotelier. In plus, o vacanta cu copiii devine mult mai confortabila deoarece acestia pot avea propria camera unde se pot juca, in timp ce parintii se pot odihni in mod corespunzator fara a fi deranjati de nimic.

Friday, December 25, 2015

Electric scooters - what to look at in an electric scooter?

Іf уоu'rе lооkіng tо buу а nеw еlесtrіс sсооtеr thеn thіs іs thе аrtісlе fоr уоu. Wе wіll stаrt bу tаkіng а lооk аt whо mіght usе аn еlесtrіс роwеrеd sсооtеr. Wе wіll thеn tаkе а lооk аt sоmе аddіtіоnаl fеаturеs tо lооk оut fоr. Wе wіll fіnіsh wіth а lооk аt thе mаіn brаnds аnd thеіr рrоduсt rаngеs аvаіlаblе.

Who are those electric scooters meant for?

Іf уоu'vе аlrеаdу stаrtеd thіnkіng аbоut buуіng а nеw sсооtеr, thе сhаnсеs аrе уоu аlrеаdу knоw whо іs gоіng tо bе usіng іt. Ноwеvеr, јust іn саsе уоu wаntеd tо knоw, hеrе аrе thе kіnds оf usеs оf аn еlесtrіс роwеrеd sсооtеr:

Whеn уоu buу аn еlесtrіс sсооtеr, уоu wіll nееd tо kеер іn mіnd whо іs lіkеlу tо bе usіng іt. Маnу sсооtеrs аrе dеsіgnеd fоr аgеs 12 аn оvеr, but аlsо hаvе а mахіmum wеіght lіmіt аs wеll.

The main features of electric scooters?

Оf соursе, twо whееls аnd аn еlесtrіс mоtоr аrе thе mоst оbvіоus fеаturеs thаt аn еlесtrіс роwеrеd sсооtеr nееds tо hаvе. Wіthоut thоsе, уоu sіmрlу wоuld nоt bе аblе tо mоvе. Іt wоuld јust bе а рlаnk thаt уоu stаnd оn wіthоut gоіng аnуwhеrе; nоt vеrу usеful rеаllу. Аnуwау, hеrе аrе sоmе оthеr fеаturеs tо lооk оut fоr whеn buуіng а sсооtеr:

Тwіst-grір Ассеlеrаtоr: соntrоl уоur еlесtrіс sсооtеr wіth еаsе wіth аn еаsу-tо-usе "twіst аnd gо" stуlе ассеlеrаtоr соntrоl.
Gооd Quаlіtу Тіrеs: а gооd sсооtеr wіll hаvе gооd sіzеd рnеumаtіс tіrеs wіth gооd grір.
Наnd-ореrаtеd Вrаkеs: іf уоu оr уоur kіd іs zооmіng rоund уоur nеіghbоurhооd аt uр 15 mіlеs реr hоur, stорріng іs dеfіnіtеlу іmроrtаnt, sо еаsу-tо-ореrаtе brаkеs аrе еssеntіаl.

Where can you buy great electric scooters?

There are a lot of stores that are selling products that are using obsolete technology, but you can avoid this by looking at special dedicated producers, as e-twow.com who have a good range of cutting edge technology products.

Monday, December 21, 2015

In Iasi s-au deschis recent mai multe studiouri de videochat



                        In Iasi s-au deschis recent mai multe studiouri de videochat care ofera joburi pentru femeile tinere si interesate de un venit constant de peste 1500 euro. Ai auzit bine, poti castiga un fiecare luna peste 1500 euro. Aceast salariu poate ajunge peste 2-3 ani la peste 10.000 euro bani cash.  Acest lucru depinde de dorinta ta de a profesa in acest domeniu. Aceste studiouri sunt 100% legale si ofera carte de munca pentru angajate. Pe cartea de munca nu va aparea termenul “videochat” deoarece acest termen poate fi inteles total gresit, mai ales in Romania.

                     Ei bine, probabil va intrebati ce este videochatul. Videochatul reprezint o filmare live cu o persoana care isi expune conditia fizica. Pe scurt cineva iti admira frumusetea si vorbeste cu tine prin intermediul chatului. Daca impartim termenul videochat vom obtine de fapt foi termeni: “video” si “chat”. Nimic mai simplu. Aceast domeniu este foarte profitabil deoarece sunt multe persoane care apeleaza la acest serviciu pentru a se simtii mult mai aproape de o persoana. Acest job reprezinta si un ajutor social in unele cazuri. Bineinteles, angajatele pot alege studioul si modul in care se vor expune deoarece exista mai multe tipuri de videochat (adulti si tineri).

                 Daca esti o persoana serioasa si analizezi problemele atent vei descoperi ca videochatul este foarte sigur. Studiourile de videochat din Iasi garanteaza protectia datelor si integritatea persoanei. Nimeni nu va afla cine esti daca asta iti doresti si nimeni nu va avea acces la numele tau. Mai mult, te poti consulta cu fetele care lucreaza deja de 2-3 ani la aceste studiuri si aceastea iti pot spune exact procesul de recrutate s.a. Noi te asteptam ca sa te inscri pe una din paginile web sau sa contactezi telephonic un studio. Seriozitatea ta este strans legata de seriozitatea studiourilor si cu sigunanta te vei distra !

Wednesday, September 30, 2015

A Embrapa e a Privatização da “Neutralidade Científica”

A Embrapa e a Privatização da “Neutralidade Científica”
Artigo de Horacio Martins de Carvalho

(Curitiba, 15 de dezembro de 2010) A onda neoliberal que vem dando sentido hegemônico às maneiras de se conceber e mudar o mundo a partir da perspectiva capitalista, mais fortemente desde a década de 1990, envolveu a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa de forma incontestável, acentuando a sua estratégica de geração de tecnologias no sentido da artificialização da agricultura.

Essa empresa estatal de pesquisa agropecuária tem contribuído desde a sua constituição em abril de 1973 para a expansão e melhoria técnica relativa da agricultura no Brasil. O volume e qualidade da maioria dos resultados obtidos, a formação de pessoal técnico-científico, a difusão técnica no nível dos produtores rurais e a sua expansão institucional no âmbito da cooperação internacional a colocam como uma das instituições mais eficientes do país e com presença respeitável nos meios técnico-científicos mundiais.

Essa qualificação anterior, no entanto, não a exime de responsabilidades nem de desvios político-ideológicos que a tem induzido para resultados que são - seria ingenuidade sugerir como involuntários, afirmadores das desigualdades sociais no campo. A opção política estratégica de apoio técnico-científico ao agronegócio, de efetivação de acordos de cooperação com empresas transnacionais de caráter monopolista --- como emblematicamente se concretizou com a Monsanto, e a aceitação e geração de produtos da sua própria pesquisa a partir dos organismos geneticamente modificados (OGMs), ainda que no âmbito de uma ampla diversificação de produção tecnológica, não deixa de marcar o sentido hegemônico da direção técnico-científica que vem adotando, ao enveredar pelos caminhos da artificialização da agricultura em consonância com os interesses das grandes empresas capitalistas transnacionais, sejam elas as produtoras de insumos para a agricultura sejam aquelas que comercializam os produtos dela obtidos.

Isso, supostamente, se verifica no âmbito de contradições técnico-científicas internas ao corpo técnico e administrativo da Embrapa. Mesmo assim, a concepção reinante sobre a agricultura familiar e camponesa, iniciativas de produção que representam a maioria dos estabelecimentos rurais no país, se mantém como de atrelamento subalterno ao agronegócio, como se afirma no site de sua Missão e Atuação: “(...) programas de pesquisa específicos conseguiram organizar tecnologias e sistemas de produção para aumentar a eficiência da agricultura familiar e incorporar pequenos produtores no agronegócio, garantindo melhoria na sua renda e bem-estar.”

A EMBRAPA foi constituída e se mantém suportada por recursos públicos. Isso significa implicitamente que a sua prática de geração de tecnologias deve (deveria), antes de tudo, estar a serviço da maioria da população brasileira que produz no campo. Todavia, quando a direção hegemônica da empresa abre espaço para a consolidação de acordos como o realizado com a Monsanto desde 2005/2006, e o reafirmando em 29 de novembro p.p. com o aporte de recursos dessa empresa transnacional ao Fundo de Pesquisa Embrapa-Monsanto, fica mais explícito o caráter real do sentido da produção tecnológica dessa empresa, ainda que estatal. Ela se insere no processo governamental mais amplo de sustentação do capital privado nacional e multinacional do agronegócio, mais recentemente através das parcerias público-privado.

Não há dúvida de que os acordos com empresas multinacionais como a Monsanto apequenam a Embrapa e comprometem a relativa autonomia técnico-científica que deveriam ter seus técnicos e administradores perante o grande capital nacional e transnacional. Essa parceria do tipo público-privado, como a efetuada há tempos com a Monsanto, joga o que poderia se considerar como o melhor da história institucional da Embrapa na vala comum da mercantilização do saber e coloca sérias interrogações sobre o caráter que se reveste a área de cooperação técnico-científica internacional quando esta afirma ser ‘principalmente a pesquisa em parceria e a transferência de tecnologia’ (sic). Supostamente o que se espera de uma empresa estatal, mesmo submetida a diferentes pressões políticas, é que seus resultados técnicos se enquadrem como serviços públicos. “(...) O conceito de técnica mostra que deve ser, por necessidade, patrimônio da espécie. Sua função consiste em ligar os homens na realização das ações construtivas comuns. Constitui um bem humano que, por definição, não conhece barreiras ou direitos de propriedade, porque o único proprietário dele é a humanidade inteira. A técnica, identificada à ação do homem sobre o mundo, não discrimina quais indivíduos dela devem se apossar, com exclusão dos outros. Sendo o modo pelo qual se realiza e se mede o avanço do processo de humanização, diz respeito à totalidade da espécie.”
Não se supõe que reine na Embrapa o mito da neutralidade científica. Todavia, não se espera por outro lado que a direção hegemônica da empresa esteja identificada com os interesses produtivistas das empresas privadas nacionais e transnacionais e da mercantilização da produção tecnológica como disso é exemplo a sua parceria com a Monsanto.

Ora, essa hegemonia dos interesses do agronegócio e das empresas transnacionais no seio da Embrapa se torna politicamente mais comprometedora quando se expande a sua capacidade de transferência de tecnologia para paises considerados em desenvolvimento no âmbito de uma cooperação Sul-Sul, como o que se está implantando na cooperação com paises da África, América Latina e Caribe. Será que já não é demais a pressão que Banco Mundial, OMC, FMI e FAO exercem sobre esses paises em desenvolvimento para incorporarem no seu que-fazer da produção no campo as mercadorias e serviços denominados de ‘tecnologias para o desenvolvimento da agricultura’, pacotes tecnológicos esses produzidos (em parcerias) pelas empresas transnacionais de insumos? Vai então a Embrapa, uma empresa estatal brasileira, se somar ao esforço anti-social e anti-ecológico de artificialização da agricultura e da dependência (neocolonial) dessas economias rurais aos interesses dos grandes conglomerados da indústria química como Monsanto, Bayer, Basf, Syngenta, Dow e DuPont? Sem duvida alguma que isso seria, ou já é, desolador.

“(...) Mesmo que explicitamente não pretenda se impor como um empreendimento totalitário, a ciência já comporta em si mesma, implicitamente, a possibilidade de tal projeto (o sentido que ela projeta sobre o homem e o mundo só pode ser o único possível). Seus êxitos retumbantes levam-na, talvez inconscientemente, a impor-se como única dimensão possível do sentido. Sua atitude fundamental diante do mundo neutraliza todas as outras atitudes. Donde o risco de tornar-se totalizante e autoritária.”

Texto originalmente publicado no site do MST
Leia o original no site do MST

Referências:

Site da EMBRAPA. HYPERLINK "http://www.embrapa.gov.br/a_embrapa/missao_e_atuacao" http://www.embrapa.gov.br/a_embrapa/missao_e_atuacao (acesso 15/12/2010, 08:00 horas)
HYPERLINK "http://www.agromundo.com.br" http://www.agromundo.com.br (consulta 14 dez 2010; 09:40 horas)
Pinto, Álvaro Vieira (2005). O conceito de tecnologia, vol. I. Rio de Janeiro, Contraponto, 2v. , p. 269.
Japiassu, Hilton (1975). O mito da neutralidade científica. Rio de Janeiro, Imago Editora Ltda, p. 169.

Agricultores acreditam na mudança

Joelma (esquerda) mostra área para agricultores visitantes. Fotos: Verônica Pragana/ASACom


Visitas às experiências reforçam fé dos agricultores na mudança
Verônica Pragana - ASACom
Pesqueira - PE
Leia o original no site ASA


“Ver para crer. Crer pra transformar-se. Transformar-se para conquistar dignidade vivendo no Semiárido.” Este lema traduz bem a atividade do segundo dia do II Encontro Nacional de Agricultoras e Agricultores do Semiárido. Mais de 300 pessoas - entre agricultores, técnicos das organizações sociais da ASA, representantes do governo federal e da imprensa – visitaram 12 experiências de convivência com o Semiárido nas regiões do Agreste e Sertão de Pernambuco.

As experiências são bastante diversas e abrangem desde a prática da agroecologia por famílias até a forma de organização do povo indígena Xukuru, natural de Pesqueira, município onde se realiza o encontro nacional.

Um grupo de 23 pessoas visitou a propriedade de Joelma e Roberto no município de Cumaru a 130 km de Pesqueira. Além de conhecer a área com diversas tecnologias de armazenamento de água e de trocar receitas de biodefensivos e biofertilizantes, eles também falavam palavras de apoio e solidariedade para os agricultores e agricultoras que estão começando a transição da agricultura convencional para a agroecológica.

A agricultura convencional usa agrotóxicos e fertilizantes químicos e pratica queimada e desmatamento. Ao passo que a agricultura agroecológica é baseada na Agroecologia, uma ciência que lança um olhar abrangente para todas as dimensões da relação homem e natureza – envolvendo a própria relação entre as pessoas. Como prática agrícola, a Agroecologia defende a utilização de técnicas de manejo da terra, água, vegetação, etc, que buscam recuperar a fertilidade do solo e a conservação dos recursos ambientais.

Na Agroecologia é estimulada também a transmissão de conhecimentos entre os agricultores. Ao testemunhar os resultados positivos alcançados em propriedades com qualidade do solo e quantidade de água disponível similares às suas condições, os agricultores e agricultoras ainda praticantes do plantio de sequeiro - que cultivam milho, feijão, fava só nos três a quatro meses de inverno - logo se vestem de coragem para transformar sua prática agrícola. Por isso, o “ver para crer”.

O “crer para transformar-se” é o próximo passo. Nas palavras sábias de um jovem agricultor visitante: “ninguém transforma o mundo, nem o país, nem a região, nem a cidade, nem a comunidade, nem a família, só se transforma. Mas, depois disso, as mudanças começam a alcançar os outros com os quais se convive.” Daí, o poder de transformação se amplia e pode provocar mudanças até então impossíveis. Por isso que o passo seguinte é transformar-se para conquistar uma vida digna no semiárido como agricultores familiares.